CRÍTICA – Britney Spears – Femme Fatale (2011)

Depois de algum tempo sem postar críticas aqui no Redfone, aqui estou eu para cumprir o prometido: a crítica da ex-careca, ex-gordinha e atual “fêmea-fatal” Britney Spears.

Depois do lançamento de 2 bons álbuns – Blackout (2007) e Circus (2008) – segundo os seus fãs a crítica especializada, eis que chega ao mundo o álbum “Femme Fatale”. Mas antes de falar deste álbum em específico seria bom darmos “um tapa” no histórico da artista para não perdermos o costume. Em se tratando de Britney Spears não será necessário gastar muitas palavras, portanto vamos apresentar sua carreira em ibágens imagens:

PESSOAS QUE GOSTAM DE BRITNEY:

Viram só? TODOS GOSTA!

Femme Fatale é um álbum que parece ter sido feito para agradar a todos: atende ao mercado fonográfico atual, no qual a música eletrônica domina geral e agrada aos fãs da cantora, ao apresentar um repertório que não foge muito do que Britney já nos trouxe antes, mas aparece aqui renovado e com um quê de diferente e ousado.

Ritmos envolventes, batidas arrebatadoras e muitos sintetizadores dominam a maior parte deste trabalho. Mas não podemos deixar de falar dele, a segunda voz de Britney, aquele que ela não consegue viver sem: o auto-tune. Ok, podemos dizer que desde Circus, Britney vem maneirando um pouco no uso do computador como 2ª voz, mas ele ainda está presente, e cumpre papel importante aqui.

Repare na evolução.

Como fiz com a Crítica do Strokes acho justo fazer um comentário sobre as músicas separadamente. Mas lembre-se que tudo o que se encontra aqui é fruto de uma opinião bastante pessoal (que pode ser transferível a quem bem quiser).

TILL THE WORLD ENDS – Ritmada, poderosa, detentora de um refrão mais grudento que mistura de chiclete, cola Tenaz e Super Bonder. A faixa de abertura é arrebatadora, feita para enlouquecer as pistas de dança e para sair por aí cantarolando o seu “Ô ô ô  ô ô ô Ô ôoo”.

HOLD IT AGAINST ME – O primeiro single do album foi uma boa escolha. Começa mais calma e não tem um refrão tão fácil quanto a primeira faixa, mas evolui num ritmo crescente e envolvente. É um ponto a mais para Britney, que lança algo diferente do que se ouve hoje em dia.

INSIDE OUT – Deliciosa. É o primeiro adjetivo que me vem em mente ao pensar na 3ª faixa deste álbum. Difere-se não só do que se toca nas rádios como também do que a Britney geralmente apresenta. É lenta, mas ao mesmo tempo pulsante e envolvente. Para mim uma das melhores do CD.

I WANNA GO – Só consigo pensar em pessoas dançando e pulando loucamente numa festa ao ouvir essa música. Muito divertida, cheia de brincadeiras com a voz e com participação ativa do melhor amigo da Britney auto-tune. É muito gostosa de ouvir.

HOW I ROLL – Outro ponto alto de Femme Fatale vem com esta 5ª música. Aqui Britney faz um dueto com o computador. Sua voz aparece doce, suave e muito sexy. É diferente de tudo o que a loira já fez. Difícil virar hit, mas figura como uma das melhores do álbum para esta pessoa que vos escreve.

(DROP DEAD) BEAUTIFUL (featuring Sabi) – Aqui temos um Electropop safado. Parece com algo que já ouvimos antes, mas não sabendo onde, nem quando. Tem seu charme e é de acordo com a demanda musical atual.

SEAL WITH A KISS – Mistura batidas fortes com um refrão cantado suavemente por Britney. Sabe aquelas músicas que aparecem no meio do álbum e que dá vontade de pular para a próxima? Então, esse NÃO é o caso dessa música (Ráá). Mesmo não sendo das melhores, vale a pena conferir.

BIG FAT BASS featuring Will.I.am – Parece mais Black Eyed Peas do que outra coisa. Destoa do restante do álbum e simplesmente não combina com a Britney. Fora que é bastante repetitiva. Para mim, a mais fraca do álbum. Essa eu passo.

TROUBLE FOR ME – Muda tanto de ritmo que causa estranhamento a princípio. Porém, numa próxima ouvida já cativa e já passamos a gostar daquele efeito de disco arranhado que antecede o refrão.

TRIP TO YOUR HEART – A maioria das críticas da internet classificava esta como sendo a melhor canção do álbum. Não concordo. É apenas uma boa música, num álbum predominantemente bom. Ela vem para acalmar um pouco os ânimos após muitas batidas e efeitos. Aqui ouvimos bem a voz de Britney e isso já é um ponto positivo para a música.

GASOLINE – Após a calmaria, vem a tempestade. Forte, sexy, selvagem. São as palavras que me vem à cabeça ao ouvir essa música. Deve fazer sucesso se lançado como single.

CRIMINAL – Música mais tranqüila do álbum. Parece ser de outra época da Britney. Funciona como um suspiro aliviado após muita agitação. Mesmo não dialogando muito com o que foi apresentado no álbum é uma música gostosa de ouvir, sem grandes produções, sem a segunda voz auto-tune. Uma música sincera.

No todo, Femme Fatale é um bom álbum Pop. Mais um acerto na carreira de Britney. Para finalizar fique com a apresentação em que ela “cantou” ao vivo seu último single. Até breve, terráqueos.

Sobre Z_Elvis

Aluno de Publicidade e Propaganda da PUC -SP.
Esse post foi publicado em Constru-críticas e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para CRÍTICA – Britney Spears – Femme Fatale (2011)

  1. Mummies disse:

    Eu não fui com a cara dos dois singles e eu não ouço cds da Britney faz tempo, e num tenho vontade de ouvir esse não! Mas pelo q vc falow(escreveu), ela tá na modinha do sintetizador!!!! Mar ela sempre foi ligada a um bom computadorzinho pra ajudá e uma voz robótica, então sintetizador é a cara dela…. E a Marilac é fã, pohãm!! hahahahahahahahahahahahaha Isso já basta!!

  2. Rei Dos Memes disse:

    Acho Britney a versão homossexual da Lady Gaga.
    Não curto ela, mas devo admitir que Til The World Ends é bem legal.
    Belo blog mano, adoro ele e leio sempre (apesar de não comentar sempre xD)

  3. Ferna disse:

    Prefiro muito mais a Britney das antigas, me divertia escutando Hit me baby one more time..e até toxic era legal, agora acho que as músicas dela estão muito repetitivas xP
    Mas vou anotar as suas dicas e ver se encontro um tempo pra escutar esse novo cd😉
    E como o colega aí de cima disse, se a Luiza Marilac curte, então tá bom!
    Adooorei esse blog, eu SI divirto!
    Beijoo

  4. Laura disse:

    Ainda bem a Britney aparenta estar melhor, não é? Muito boa sua crítica Elvis, não consigo acreditar que alguém ouviu todas as músicas do álbum e ainda comentou cada delas!!!! Parabéns.

  5. Nadson disse:

    Ótima critica mais nn concordo com algumas coisas .-.
    Britney a melhor !

  6. aLLAN disse:

    otima critica! acho “criminal” e “till the world ends” as melhores

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s