The Dodos – No Color

The Dodos é uma banda de indie rock formada em 2005 por dois manolos de São Francisco: Meric Long (guitarrista) e Logan Kroeber (bateria). Eles tem ao todo 4 álbums: Beware of the Maniacs (2006), Visiter (2007), Time to Die (2009) e No Color (2010) que será criticado nesse post.

Meric e Logan, uma dupla do barulho

O mais interessante dos Dodos é que é possível ouvir uma evolução nos discos deles: Em geral, Beware of the Maniacs pode ser resumido como “Um violão com bons arranjos e uma bateria intensa”. Visiter é “Um violão com melhores arranjos e uma bateria mais intensa”. Time to Die é “Uma guitarra elétrica e uma bateria infelizmente mais controlada”. E como é fica o No Color?

Como o Elvis, o crítico de plantão do Redfone, esta ocupado demais fazendo outras coisas que não sei o que são (é e melhor nem saber), irei fazer uma análise faixa por faixa que nem ele fez em suas outras crítica.

BLACK NIGHT: Somos recebidos por uma bateria tensa mas que se transforma durante a música. Não da para reconhecer a voz do Meric no começo, mas traz o espírito dos Dodos dos seus dois primeiros albúns.

GOING UNDER: Trocou de música? Nem percebi. Começa com num estilo leve: violão e bateria como no Beware of the Maniacs. De repente fica uma loucura: guitarra elétrica e uma bateria doidona. Eu, pessoalmente, a primeira parte da música é a mais interessante.

GOOD: Ok, eu perdoou a segunda parte de Going Under. Good tem um violão incrível e volta a raiz da música dos Dodos com novos elementos, como frases de guitarra e backing vocals de efeito.

SLEEP: Mudou de música? Nem percebi… de novo. Good cria uma ótima base para Sleep, que traz novamente o que os Dodos sabem fazer o de melhor: violão e uma bateria intensa (com direito a backing vocal mais presente). E também o melhor refrão do disco.

DON’T TRY TO HIDE IT: Se pedirem pra você dizer o nome de alguma música do No Color, essa será a última opção. Poderia ser uma faixa do disco Time to Die… infelizmente.

WHEN WILL YOU GO: Comparada ao No Color como um todo, essa é a faixa mais suave do álbum mesmo com a bateria intensa. Mas é uma boa faixa.

HUNTING SEASON: De volta ao estilo Dodos: começa calmo, mas termina no padrão da banda.

COMPANIONS: Essa é a faixa que mais se destaca do álbum por ser a mais diferente, um jeito de tocar que os Dodos nunca fizeram em seus moldes. E pela sonoridade, essa seria a faixa fofa.

DON’T STOP: E assim The Dodos fecham o álbum com chave de ouro.  É praticamente o resumo do disco inteiro e de seu estilo musical.

Concluindo, No Color tráz o melhor do The Dodos de uma outra maneira. Eles trazem um pouco do álbum Time to Die, o álbum que ninguém gosta, mas voltam as suas origens que seduz os seus ouvintes.

Esse post foi publicado em Constru-críticas e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para The Dodos – No Color

  1. RedFone disse:

    Edu! O senhor pare de falar coisas do Elvis, pois você sabe muito bem que ele anda muito ocupado trabalhando, estudando, sustentando seus 4 filhos e pagando carnê das Casas Bahia. Assim que ele tiver um tempo ele disse que volta a postar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s